domingo, 17 de julho de 2011

Confira os confrontos das semifinais da copa América 2011

Terça-Feira dia 19 às 21h45 em La Plata
PERU X URUGUAI


Quarta-Feira dia 20 às 21h45 em Mendoza
PARAGUAI X VENEZUELA

Venezuela vence por 2 x 1 o Chile e está nas semifinais da Copa América

Nem musas, nem Obama: Japão bate EUA nos pênaltis e vence o Mundial


Após 2 a 2 com prorrogação, equipe sensação do torneio bate os Estados Unidos das musas Solo e Morgan. Presidente americano torceu pelo Twitter

As musas Hope Solo e Alex Morgan até que tentaram, contando com a torcida virtual de Barack Obama. Mas o dia era do Japão. A seleção asiática, que quase ficou fora do Mundial Feminino por conta do tsunami e do terremoto que abalaram o país em março, superou muitas dificuldades também na decisão deste domingo, em Frankfurt, e venceu de forma incrível os Estados Unidos nos pênaltis, por 3 a 1, depois de 2 a 2 com direito a prorrogação.
As japonesas saíram atrás no placar duas vezes, uma no tempo normal e outra na prorrogação, mas Miyama e Sawa foram buscar a igualdade. Na disputa por pênaltis, as americanas perderam três cobranças, e Kumagai garantiu o título, o primeiro do país na história das Copas.
A seleção americana, campeã em duas oportunidades, perdeu a chance de alcançar a hegemonia e desempatar com a anfitriã Alemanha, também bicampeã e que caiu nas quartas para as japonesas.
Japão vence copa do mundo feminino (Foto: Reuters)Japonesas levantam a taça do Mundial Feminino na Alemanha: primeiro título (Foto: Reuters)
Domínio americano no primeiro tempo
Dentro de campo, a musa americana Hope Solo assistia de camarote ao domínio total de sua equipe no primeiro tempo. Foram nada menos do que nove boas chances de gol, incluindo duas bolas na trave.
hope solo EUA japão final copa do mundo (Foto: Agência Reuters)Musa do Mundial, Hope Solo chegou a defender
um pênalti contra o Japão (Foto: Agência Reuters)
O arsenal dos Estados Unidos incluía jogadas por todos os lados, além de forte pressão com bola área, aproveitando maior vigor físico em relação às baixinhas japonesas. Wamback, Rapinoe e Cheney infernizaram a vida do Japão desde os 20 segundos de partida, quando esta última entrou com a bola dominada pelo lado esquerdo e obrigou a goleira Kaihori a fazer a primeira defesa.
A movimentação do trio americano era intensa. As chances eram criadas uma atrás da outra. E por duas vezes a trave japonesa balançou. A primeira com Rapinoe, também em jogada pela esquerda, aos 17 minutos. E depois em um lindo chute de fora da área com Wamback, com 28 de jogo.
O Japão tentou acalmar o jogo com toques para o lado no campo de defesa. A posse de bola maior (52% a 48%) das nipônicas dava uma falsa impressão de domínio. A goleira americana Hope Solo só foi fazer sua primeira defesa (sem muito esforço, diga-se de passagem) aos 30 minutos. A partir daí, a equipe japonesa até melhorou um pouco, mas foi para o intervalo aliviada com o 0 a 0 no placar.
Pelo Twitter, Barack Obama vibrava com o jogo. Assistindo ao jogo ao lado da família, ele comentou o jogo no Twitter:
- Grande primeiro tempo da equipe dos EUA. Vamos mantê-lo na segundo - postou.
EUA perdem Cheney, machucada. O destino ajuda...
Na volta para o segundo tempo, a camisa 12, Cheney, foi focalizada no banco de reservas com uma bolsa de gelo no pé direito. Desfalque no setor ofensivo americano que tão bem funcionou na etapa inicial.
Todos os campeões
1991Estados Unidos
1995Noruega
1999Estados Unidos
2003Alemanha
2007Alemanha
2011Japão
Morgan foi para o jogo, e os EUA parece até que melhorou com a reserva. Logo aos três minutos, ela mesmo desviou cruzamento da direita, a bola desviou em Kaihori, e os Estados Unidos acertaram a trave pela terceira vez. A zaga japonesa ainda teve trabalho para afastar o perigo no rebote.
Apesar de todo o domínio americano, o Japão foi prejudicado pela arbitragem. Aos 18 minutos, Ohno foi lançada em condição legal e ficaria cara a cara com Hope Solo, mas a assistente marcou impedimento em lance de difícil observação, já que a japonesa apareceu muito à frente da marcação depois que a bola foi lançada.
Os Estados Unidos não têm nada com isso e continuaram sua pressão até finalmente chegar ao gol. Com uma certa "ajudinha" do destino. Morgan, que entrara no lugar da lesionada Cheney, foi lançada nas costas da zaga por Rapinoe e bateu cruzado, no canto esquerdo de Kaihori, para fazer 1 a 0.
Obama assiste futebol feminino (Foto: Divulgação)Obama assiste à decisão com a família (Foto: Divulgação)
Só que a quantidade de gols perdidos acabaram fazendo falta para as americanas. Quando tudo se encaminhava para uma vitória apertada, o Japão reuniu forças para empatar após uma falha incrível da defesa. Depois de cruzamento pela direita, Buehler disputou bola com Miyama e, na hora de afastar, chutou em cima da companheira Krieger. A número 8 nipônica ficou com a sobra e mandou para o gol, sem chance para Hope Solo.
Foi a senha para mais uma prorrogação na competição. Onde de novo brilhou a estrela de Morgan. Como se fosse uma ponta esquerda, a camisa 13 partiu para cima de Kinga, chegou à linha de fundo e cruzou na cabeça de Wamback, que nem precisou pular para fazer 2 a 1.
Alex Morgan EUA futebol feminino (Foto: Reuters)Alex Morgan participou dos dois gols
dos Estados Unidos (Foto: Reuters)
Hope Solo quase pôs tudo a perder ao sair em falso após cruzamento de Miyama, mas as atacantes japonesas não conseguiram aproveitar. Mas aos 11 minutos do segundo tempo da prorrogação, não teve jeito. Miyama bateu escanteio da esquerda, Sawa se antecipou e desviou. A bola tocou levemente em Buehler, e entrou.
O estádio foi ao delírio com o gol. Os alemães presentes adotaram o Japão para torcer. E no fim ainda viram a zagueira Iwashimizu ser expulsa depois de cometer falta na meia-lua, não aproveitada pelas americanas na última chance com bola rolando.
EUA vão mal nas cobranças de pênalti
O Japão mostrou toda a tranquilidade oriental na decisão por pênaltis. Das quatro cobranças, converteu três - Hope Solo pegou uma. Já as americanas perderam as três primeiras (com Boxx, Lloyd e Heath) e dificultaram o trabalho da camisa 1. Kumagai bateu no ângulo a quarta penalidade e garantiu o título japonês.
Só restou a Barack Obama, através do Twitter, parabenizar as americanas e reconhcer o título japonês:
- Não poderia estar mais orgulhoso das mulheres depois de um jogo muito disputado. Parabéns para o Japão, as campeões da Copa do Mundo - postou.

Japonesas são campeãs mundiais em cima dos Estados Unidos

Os pênaltis de Brasil 0 x 2 Paraguai pelas quartas de final da Copa América

Veja a pífia atuação do Brasil na Copa América



sábado, 9 de julho de 2011

Os gols de Brasil 2 x 2 Paraguai pela Copa América

Fred marca aos 44 do segundo tempo e evita derrota contra o Paraguai


O sorriso de Larissa Riquelme sempre encantou os brasileiros. Mas neste sábado, a alegria da musa contrastou com a decepção e a péssima atuação daSeleção comandada por Mano Menezes. No Estádio Mário Alberto Kempes, em Córdoba, a equipe canarinho conseguiu um empate de 2 a 2 com o Paraguai graças a um gol heroico de Fred aos 44 minutos do segundo tempo. O time de Mano Menezes agora terá que vencer o Equador, quarta-feira, para se classificar para as quartas de final da Copa América sem depender de outros resultados.
Barrado, Robinho assistiu ao jogo do banco de reservas. Preterido por Mano para a entrada de Jadson, ele chegou até a aquecer, mas sequer entrou em campo. O antes inquestionável Neymar deixou o gramado vaiado. E, pela quarta vez consecutiva, os torcedores pediram pela entrada de Lucas, o que só ocorreu no segundo tempo. Até faixa para Marta foi exibida no Mário Kempes, que ainda ouviu gritos de "olé" da torcida guarani. Jadson abriu o placar para a Seleção, e Roque Santa Cruz e Valdez marcaram para os paraguaios (veja galeria de fotos da partida).
Com o empate, Brasil e Paraguai somam dois pontos e dividem a liderança provisória do Grupo B. Isso porque Equador e Venezuela, que estão com um ponto, ainda se enfrentam neste sábado, às 18h30m (de Brasílai), em Salta, para fechar a rodada, com transmissão ao vivo do GLOBOESPORTE.COM, TV Globo e SporTV.
Na próxima quarta, a Seleção encara o Equador novamente em Córdoba, às 21h45 (de Brasília), na última partida da primeira fase da Copa América. O Paraguai enfrenta a Venezuela, pouco antes, às 19h15, em Salta. A última vez que o Brasil não conseguiu vencer nas duas primeira rodada da Copa América foi há 18 anos, em 1993: 0 a 0 com Peru (18/06/93) e 3 a 2 para o Chile (21/06/93).
Com Jadson na vaga de Robinho, Seleção começa mal etapa inicial em Córdoba
neymar brasil dario veron paraguai copa américa (Foto: Agência Reuters)Neymar teve atuação apagada na etapa inicial.
Seleção teve dificuldades (Foto: Agência Reuters)
A Seleção entrou em campo com uma surpresa de Mano Menezes. Jadson na vaga de Robinho. Com o apoiador do Shakhtar Donestsk, o esquema saiu do 4-3-3 para o 4-4-2. Mesmo com a alteração, o time começou mal a partida, perdido em campo. Percebendo tal situação, o Paraguai quase abriu o marcador aos 2 minutos. Barrios lançou para Roque Santa Cruz já dentro da área. Da marca do pênalti e de frente para Julio César, o atacante errou feio o gol.
Santa Cruz, por sinal, não balançava a rede desde maio de 2010 em um amistoso do Paraguai contra a Coreia do Norte antes da Copa da África do Sul. Após o lance, a Seleção Brasileira seguiu errando passes, precipitando jogadas. A partir dos dez minutos, os zagueiros tentaram o artifício de explorar a velocidade de Alexandre Pato. Outro pouco inspirado no jogo.
A primeira chance clara da Seleção só aconteceu aos 19. Ganso tocou para Jadson na entrada da área, que tocou de primeira para Pato. O atacante recebeu na marca do pênalti e tentou driblar Villar, que se recuperou e tocou na bola no momento do chute. No banco, Mano mostrava insatisfação com mais um lance perdido. O camisa 10 da Seleção, por sinal, tinha lampejos. Ora com boas jogadas, ora com passes no fogo para os companheiros.
Torcida pega no pé de Jadson, que abre o placar para o Brasil
jadson brasil gol paraguai copa américa (Foto: agência AFP)Vaiado antes do gol, Jadson desabafa ao marcar
para a Seleção Brasileira (Foto: agência AFP)
A partir dos 25, os torcedores brasileiros no Estádio Mario Kempes passaram a pegar no pé de Jadson. A cada toque na bola do apoiador, vaias. Os gritos de Lucas começaram a ecoar na arquibancada. Até mesmo o nome da atacante Marta, destaque da Seleção Brasileira feminina que disputa a Copa do Mundo na Alemanha foi gritado.
- Olê, olê, olê, olá, Marta, Marta – gritavam os torcedores.
E Jadson parecia sentir as vaias. Aos 32 levou cartão amarelo após entrada dura na intermediária de ataque. Cinco minutos, ele poderia até ter sido expulso pelo árbitro Wilmar Roldan após derrubar Barrios em um contra-ataque paraguaio. Novas vaias e gritos por Lucas ecoaram no estádio de Córdoba.
Mas o futebol dá voltas. Aos 39, Jadson recebeu de Ganso na entrada da área e bateu forte à direita de Villar: 1 a 0 Brasil. Na comemoração, o jogador desabafou, colocou a mão no ouvido, pedindo uma reação positiva dos torcedores que o vaiaram durante a etapa inicial. O tento foi o primeiro de fora da Copa América.
Na tribuna de imprensa, o analista de desempenho, Rafael Vieira, membro da comissão técnica de Mano, socava à mesa a sua frente em sinal de desabafo, comemorando o gol do apoiador.
Mesmo com o resultado positivo após o fim do primeiro tempo, Mano deixou o gramado ouvindo os gritos de burro de um grupo de torcedores inconformados com a escalação da Seleção
Com cartão amarelo, Jadson é substituído no intervalo
larissa riquelme  brasil x paraguai (Foto: Marcos Felipe/Globoesporte.com)Larissa Riquelme acompanhou a partida em
Córdoba (Foto: Marcos Felipe/Globoesporte.com)
Na volta para o segundo tempo, Mano optou por sacar Jadson, que havia levado o amarelo e poderia ter sido expulso antes do gol. O comandante optou pela entrada de Elano. O trio campeão da Libertadores pelo Santos estava formado, com o meia, Paulo Henrique Ganso e Neymar. Com eles, o Brasil passou a explorar os contra-ataques. Mas o Paraguai não estava morto. E um goleador adormecido acordou.
Santa Cruz recebeu sozinho ótimo passe de Barrios já dentro da área e bateu à direita de Julio César,que nada pôde fazer. O goleador acabou com o jejum de mais de um ano sem balançar a rede e se tornou o maior goleador de sua seleção, com 25 tentos, ao lado de Saturnino Cardozo. Festa da modelo Larissa Riquelme, que estava no estádio acompanhando a partida, e dos torcedores paraguaios, maioria em Córdoba.
Logo após o gol, os gritos por Lucas voltaram a ecoar no estádio. Mesmo assim, o jogador do São Paulo seguia no aquecimento. Em campo, o maestro de Mano, Paulo Henrique Ganso, desafinava. Acertava pouco. Os passes não eram precisos, os dribles não funcionavam. Neymar também não conseguir repetir as boas atuações do Peixe.
Neymar perde gol, Valez não perdoa: 2 a 1 Paraguai. Fred empata no fim
O ataque da Seleção seguia sem pontaria. Nervosismo? Aos 20, Neymar pareceu não saber o que fazer com a bola. Ganso fez um lindo lançamento para o atacante, que ficou de frente para Villar. Em vez de finalizar de canhota, o camisa 11 preferiu chutar de direita e errou o alvo, deixando o arqueiro paraguaio evitar o segundo tento canarinho.
Na sequência, o Paraguai aproveitou mais uma falha da defesa brasileira para virar o jogo. Aos 22, Haedo Valdez recebeu dentro da áream chutou para defesa de Julio César, mas deu sorte de a bola bate em seu corpo antes de morrer no fundo do gol: 2 a 1. Com a desvantagem no placar, Mano atendeu o pedido da arquibancada e sacou Ramires para a entrada de Lucas. A Seleção seguiu mais perdida do que na etapa inicial, errando muitos passes.
Enquantos os brasileiros buscavam o empate, os paraguaios tocavam a bola. Em outros tempos impensável, os gritos de olé eram a favor dos rivais canarinhos e não do time de amarelo. No fim, Fred amenizou mais um tropeço da Seleção. Aos 44, o jogador recebeu passe dentro da área, girou e chutou sem chance para Villar. Tudo igual em Córdoba.
BRASIL 2 X 2 PARAGUAI
Julio César, Daniel Alves, Lúcio, Thiago Silva e André Santos; Lucas Leiva, Ramires (Lucas), Paulo Henrique Ganso e Jadson (Elano); Neymar (Fred) e Alexandre Pato.Villar, Verón, Da Silva, Alcaraz e Torres; Vera, Riveros (Cáceres), Estigarribia (Martinez) e Ortigoza; Santa Cruz e Barrios (Valdez).
Técnico: Mano MenezesTécnico: Gerardo Martino
Gols: Jadson, aos 39 minutos do primeiro tempo; Santa Cruz, aos dez minutos, Valdez, aos 22 minutos, Fred, aos 44 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Jadson, Lucas Leiva e Alexandre Pato (Brasil); Barrios (Paraguai)
Árbitro: Wilmar Roldan (COL)
Auxiliares: Humberto Clavijo e Francisco Mondria
Estádio: Mario Alberto Kempes, em Córdoba (ARG)

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Terremoto atinge região perto de Córdoba, próxima parada da Seleção


Delegação brasileira viaja nesta quinta para cidade, local do duelo com o Paraguai. Em Mendoza, também sede da Copa América, outro tremor






Por GLOBOESPORTE.COMCampana, Argentina
Terremoto Argentina (Foto: Reprodução Inpre)Imagem divulgada pelo Instituto Nacional de Prevenção Sísmica da Argentina da região atingida pelo terremoto na região de Córdoba (Reprodução INPRES)
Regiões próximas a Córdoba e Mendoza, duas cidades sede da Copa América da Argentina, sofreram terremotos no inicio da tarde desta quarta-feira. A primeira delas é o próximo ponto de parada da Seleção Brasileira, que lá enfrenta o Paraguai, sábado, às 16h, pela segunda rodada do Grupo B da competição.
mapa terremoto argentina 2 (Foto: arte esporte)A localização de Córdoba e Mendoza no mapa
da Argentina (Foto: Arte Esporte)
O tremor atingiu 4,2 graus na escala Ritcher e aconteceu às 13h49m desta quarta-feira. O epicentro aconteceu a 95 quilômetros de Córdoba, cidade que vai receber a Seleção Brasileira a partir de quinta-feira à noite. O terremoto pode ser sentido na região de Punilla, Sierras Chicas e alguns bairros da sede do torneio.
Pouco antes, às 11h44m, um outro tremor atingiu a região de Mendoza, outra cidade-sede da Copa América. O abalo sísmico foi de 4,8 graus na escala Ritcher e o epicentro aconteceu a 25 quilômetros do centro de Mendoza.
Segundo informações preliminares do Instituto Nacional de Prevenção Sísmica da Argentina (INPRES), os tremores não causaram danos consideráveis nas regiões atingidas. E não devem causar problemas para a sequência da Copa América. Nesta quinta-feira à noite, logo depois do jantar, a Seleção Brasileira tem viagem programada para Córdoba em um voo fretado que sai de Buenos Aires, capital da Argentina. 
Além de enfrentar o Paraguai em Córdoba, o Brasil de Mano Menezes encara o Equador, no próximo dia 13, pela última rodada da fase de grupos. Se passar em primeiro e chegar às semifinais, o duelo será em Mendoza, outra região atingida.
Em outra cidade-sede da Copa América, San Juan, a apenas 160 quilômetros e Mendoza, abalos sísmicos costumam ser comuns. Em 1944, um forte terremoto deixou 10 mil vítimas e é considerado até hoje a maior tragédia natural da história argentina.